sexta-feira

Poemas de Fernando Campos


Sala de Exibição do Estúdio
Kaiser de Cinema
em Ribeirão Preto
O poema e o filme

As baleias nadam todos os dias da semana.
Os gatos ainda estão pingados em cima do telhado.
Quando olho pra você -- será arte? --,
vejo tinta numa tela de cinema.
Seu rosto tem luz própria, peculiar espelho.
Se notarmos bem, há mais revelações numa gota de orvalho do que ousou nossa vã melancolia. 
As faixas do asfalto o dividem ao meio, projeções e caminhos.
Desarticular o arco exerce menos tensão sobre a flecha e pacifica a superfície do alvo.
Fatos memoráveis ficam apenas na memória.
Atenas não se fez num só dia.
Pense bem e veja fundo na alma do poema




Entrada da Sala
O poema e o filme II


Eram horas vespertinas
e o silêncio ainda persistia na alma do poema.
O projecionista, assaltado pela inquietude da cidade grande, ia e vinha com a bobina entre as mãos,
sem saber se o público compareceria
para a próxima sessão.
O mar, bem perto, continuava a refletir seus azuis
e as baleias musicais, como num enorme aquário,
tentavam a todo custo falar a língua dos humanos.
Os gatos, nos telhados, se transmutavam em gotículas de tinta
oferecendo sua pele de mudez e pergaminho
aos carnavalescos e ritmistas dos novos tempos.
A luz espelhada, indeferida por uma voz convencional,
sentia-se frustrada por frases, gruas e arpões, 
tentando libertar a língua
e mantê-la fora do poder instaurado
por portentosas bolhas intelectuais.
Eram ainda as horas vespertinas
e o silêncio insistia na alma do poema
 até que alguém pudesse falar ou gritar, 
até que o projecionista pudesse ousar qualquer gesto mais amplo,
qualquer reação,
até que uma voz feliniana, quem sabe,
viesse de outras eras, em forma de memória,
socorrer o poema
e descortinar o grande filme, como outrora.
Talvez assim se pudesse redimir Atenas
(a cidade sitiada) e reconstruí-la em outros moldes
para que possamos, enfim
vislumbrar, na alma, a face do poema.

  

7 comentários:

Verso Aberto disse...

Pessoal, Fernando Campos - poetaço - é amigo de Caratinga, Minas Gerais. Acabamos de nos reencontrar no face depois de décadas. Aqui estão dois poemas dele, peculiares espelhos, que não me deixam mentir.

- Amigo Fernando, só mesmo a poesia para descortinar o grande filme das nossas vidas. Bom demais reencontrá-lo. Forte e saudoso abraço.

Assis Freitas disse...

reencontro com poesia, maravilha



abraço

Wilson Torres Nanini disse...

Reaver o que é confluência é sempre parir um rio, não é mesmo?

O cara é poetaço mesmo, como você, meu amigo!

Abração!

Adri Aleixo disse...

Amizade, poesia e filme...
Acho que não faltou quase nada pra completar a vida.

Lindos, os poemas Pizano!

Verso Aberto disse...


entre frases e gruas
poesia e cinema

abs Assis

Verso Aberto disse...

e nesta confluência
útero de rio é mar

abração Nanini

Verso Aberto disse...

Adriana
Fernando tem uma sintonia fina
uma sutileza
que faz sua poesia gritar

obrigado pela visita amiga
abração