quinta-feira

O segredo no jardim

seu olhar 
derrama músicas luminosas 
declama preguiçosas vogais tônicas 
derrapa átonas notas sonoras 
sola em verso branco 

tomado nos braços 
seu corpo tremeria 

mas 
os dizeres ocos dos lábios 
renegam nosso segredo 
que jorra flores 
             e borra olhares 

e você me escapa 
exclamando silenciosas rosas



Publicado no Tertúlia Pão de Queijo no dia 30/07/2011

8 comentários:

Tania regina Contreiras disse...


As rosas não falam, exclamam! Versos abertos, vou entrando e passeando por aqui...

Beijos,

Assis Freitas disse...

Coroai-me de rosas,
Coroai-me em verdade,
De rosas —

Rosas que se apagam
Em fronte a apagar-se
Tão cedo!

Coroai-me de rosas
E de folhas breves.
E basta.

F. Pessoa

Verso Aberto disse...

Tânia

poesia
ah
a poesia nada é
diante da rosa
que declama o belo em perfume

abção

Verso Aberto disse...

você trazendo Pessoa

é muito para este bloguinho

obrigado mestre

abs

MA FERREIRA disse...

A rosa, o poeta, os versos..
Belo conjunto!


:)

Verso Aberto disse...

oi Ma

silenciosa
a rosa revela
quando os lábios estão ocos

abção

Wilson Pereira disse...

Belíssimo poema! Que imagens!que sutileza, que sentimento!
Parabéns por essa preciosidade, Marcos.
Abraço
Wilson Pereira

Verso Aberto disse...

o olhar também faz escolhas

Amigo Wilson
obrigado pela visita