sábado

Doce

deixa eu por você na boca
seu leve nome

           e
             de amor 
                  salivar
ttremerr na língua
trocar tocar suas lretas
pulsar em ddoobbrroo
trançar perper nasnas

seu nome chama fogo
morde arde esgarça escalpa

mas
    no ouvido
       assim saído baixinho de minha boca
   acalma
       em doce calda

    

8 comentários:

MA FERREIRA disse...

Hummmmm noosssssa!!!! Amei!

Mirze Souza disse...

Um poeta doce, faz um doce poema!

Bárbaro!

Tania regina Contreiras disse...


Um poema que mexe com todos os sentidos, mas realça bem o paladar! :-)

Beijos,

Assis Freitas disse...

dolce vita



abraço

Verso Aberto disse...


oi Ma
obrigado pela visita
e pela generosidade
abração

Verso Aberto disse...

Tânia
e o mais pronunciado
é o da saudade
dos amores e seus sabores

abração

Verso Aberto disse...

Mirze

que bom ver você aqui

talvez tenha melado demais rsrsrs
mas, são versos abertos
mesmo

abs

Verso Aberto disse...

Assis

que Fellini nos perdoe rsrsrsrs

abção mano