quinta-feira

Seu primeiro beijo

no cego desejo do só desejo
sem rosto
     sem alma
             asperso

do negrume
    veio sua boca macia
          veio lua cheia de si
               feito fio de olhar à meia luz
como vinho de longa guarda
     aberto
         em perfume

seu primeiro toque já foi carinho
          dançar de rosto coladinho
de tudo do amor que se ilimita em verso
e a ele se resume

de beijo assim não há poesia imune

  

6 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Assis Freitas disse...

imune: quem há de estar



abraço

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Adri Aleixo disse...

Eu vou parafrasear o mestre: quem estaria?

Beijo!

Verso Aberto disse...


um fio de olhar
quando fica
vira poesia

obrigado pela companhia Assis

Verso Aberto disse...


Adriana

feitiço de lua cheia rsrss

abração