quinta-feira

Na vazia página

Os pés não a me trazem
Os olhos só fazem escondê-la
Mas, a memória do perfume
Embeleza a sala vazia

(A página já inspira saudade)

Quero tê-la agora, aqui!

Viro e reviro as linhas
Empurro pracá-pralá as palavras
Chego bem perto, muito perto

Cadê? Cadê?

Êta poesia ciumenta!

Um comentário:

Bispo disse...

Êta Pizanão, essa aí é porreta e Bispo não mente.
Abraços