quinta-feira

Imarginar Minas

esta minas
que
       de ti
             ainda infinda persiste
- onde o mar não bete

que
      de mim
            ainda descrevo triste
 - sem que a dor a retrate

por ti
por ter-te
       oceânea estamina
meu centro
adentro


que aos montes escrevo 
em onda de sonho que mais tarde amanhece 
e na crueza de rocha dos dias que morrem mais cedo

ah!

se margens houvesse

  

11 comentários:

Verso Aberto disse...


sempre quando vou a Timóteo volto meio besta assim mesmo rsrs

abs

Primeira Pessoa disse...

esta minas que o mar do espírito santo bebe.

que o mar bebe... com pedras e maregens.

e tudo.

beijão.

r.

MA FERREIRA disse...

Besta nao, volta mais leve, mais menino.
E esta Minas que voce tao lindamente descreve hei de conhecer.
Beijo meu amigo poeta.
Sempre lindo te ler.

bispo filho disse...

Minas verdadeiramente persiste. Estamina que mora no espírito da gente! Grande abraço, mano.

José Carlos Sant Anna disse...

Minas que amamos,
de sol e frio
na mata cerrada:
é nela que me estendo
e estanco a minha sede!

Abraços, poeta!

Assis Freitas disse...

na terceira margem
bem próximo
à voragem do verso
onde minarás


abraço

Verso Aberto disse...

Beto, esta minas que bate
bebo neste mar de saudade

abs mano

Verso Aberto disse...

Oi Ma

está convidada a mineirar
em Timóteo

de lá nossa gente certamente
vai contigo trazer
já jeito você já leva kkk

abração

Verso Aberto disse...

é esta minas que me mantem de pé

abs mano Bispo

Verso Aberto disse...


todo baiano extrovertido que é
sabe entender minas por dentro

abração João Carlos

Verso Aberto disse...


mineiramos sempre Assis
adentro
no desejo de ser Minas mundo afora

abs mestre