segunda-feira

Ranhuras


em meu colo o mundo adolesce
e ganha garras
   eros feroz felino
e apetece afrodite
   beijo de incisivos e cravadas

ah
coisa assim a gente não esquece
(a pele que expunha
         delicadamente
      a ponta da unha)

leio teu convite
e em casa
      sozinho
      sussurro
      sim

suo na noite que enlouquece
neste tesão que carcome
e numa prece de amor
    urro
    teu nome


9 comentários:

Tania regina Contreiras disse...


Ah, inevitável dizer: fodástico!!!

Beijos,

Assis Freitas disse...

de suar sílabas


abração

Verso Aberto disse...

oi Tânia

kkk

obrigado pela visita

bjs

Verso Aberto disse...


este calorão maluco kkk

abs mestre

MA FERREIRA disse...

EITA........DE ARREPIAR SEU POEMA. LITERALMENTE..RS

Parabéns Marco. Vocè escreve sempre lindo, independente do tema!!

MA FERREIRA disse...

desculpe, Marcos.

ᄊム尺goん disse...

[e relembro minha história preferida...]


beij0

Verso Aberto disse...

oi Ma

sua visita é sempre um presente

obrigado pelo carinho
abração

Verso Aberto disse...

Olá Margoh

são estas histórias que
alimentam a poesia

obrigado pelo prestígio
abraçaço