sexta-feira

Saudade em Novembro

Serra do Cipó


entre massas polares e rios voadores 
serena lua de luz fina 
prateia tempera o alto da colina 

nestas montanhas em novembro 
evapora o tenro tempo ao relento 
(o que nunca se poderia saber?) 

nuvens itinerantes translucidam seu rosto 
e vejo você agora 
no breu frio do adeus 
no jardim de pedras 
vestida de vento e neblina



.

6 comentários:

Assis Freitas disse...

vestida de vento e neblina: bento invento sibilina



abração

Daniela Delias disse...

Imagino que em lugar nenhum do mundo as montanhas sejam mais lindas que as de Minas.

Bjo, bjo

Lindo poema :)

Verso Aberto disse...

a lua traz estas saudades em imagens passageiras
- metamórficas -
e sempre recorrentes


abs Assis

Verso Aberto disse...

não há no mundo lugar mais belo
para sentir saudade

abs Daniela

Lázara papandrea disse...

que bom que consegui comentar aqui, sempre tento comentar seus poemas e não consigo, alguma coisa com o blog, alguma ferramenta que eu não manejo direito. agora deu certo!Oba!
há uma tocante dor de solidão e adeus nestes teus versos que evocam belas paisagens de Minas!Tocante! abraços

Verso Aberto disse...

oi Lázara

percebo que o blog anda instável mesmo

a saudade é celebração solitária

não desista de me visitar, viu?
abração