sexta-feira

O Lugar





céu lindíssimo
Júpiter faz que conversa com a Lua
e calo no frio silêncio da madrugada

reflito sobre uma vida de poucas posses
muitas convicções 
e nenhuma certeza

a não ser
a de que
esta vida que aqui está
também não é minha

não é quem sou
(o que sou de matéria escura luz estelar gás pó ao que sempre se retorna)

o quando do moto-contínuo

e muito menos o porquê

ela vem
            e vai
                        sem onde

.

8 comentários:

Sissym disse...

Eu lhe encontrei e resolvi visitar.
Li alguns poemas e me encantei!
Com certeza, poeta, irei voltar.

Beijos,

Assis Freitas disse...

a pedra filosofal: o que desta vida serei?


grande poema


abração

Tania regina Contreiras disse...

Poemaço!!!! "sem onde" é libertador.
Beijos,

Verso Aberto disse...

Oi Sissym
que bom

este blog estará sempre de versos abertos para recebê-la

olha, seu espaço é que é bem mais legal
parabéns

abs

Verso Aberto disse...

oi Assis

é só o como
do saber viver
que às vezes alivia rsrss

abs mano

Verso Aberto disse...

que bom que gostou Tânia

perguntar nasce tesão
chama mais
responder morre gozo
nada mais

como seria mais libertador se toda pergunta desdenhasse a resposta!

abração procê

Primeira Pessoa disse...

sem onde fica o poeta, que pra seguir vivendo tem que se agarrar à poesia...rs

beijão, marquinho.

Verso Aberto disse...


a poesia
por si
dói liberdade

saudade mano Beto