sexta-feira

Para seu desgosto

Tarde de Agosto
 
trago traços dissecados na linha dos olhos
rotas destinos incertos no canto da   boca
marco sirenas partidas inaudíveis
e não escapo às chegadas nefastas


vento agosto apoeirando
o tempo da piora
que se acumula
e se demora
em trinta e um mau agouros


para ser e gostar de ser
lágrima em seu rosto



Poema publicado na
http://www.tertuliapaodequeijo.com

17 comentários:

Verso Aberto disse...

para deixar Agosto ainda mais mal falado rsrsrsr

Adri Aleixo disse...

Clamando por chuva, Marquim, com essa belezura que é sua poesia que se agiganta.

Beijo mineiro...

MA FERREIRA disse...

Marco......... pra mim o mes de agosto foi bem bacana...
.. e nem vi nenhum cachorro louco...rsrs

O que vi foi a tua poesia.... que sempre encanta...

beijo e bom fim de semana!!

MA FERREIRA disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Verso Aberto disse...

o vento arde
o calor coze
a secura tá brava Adriana

que o tempo melhore logo

abração

Verso Aberto disse...

bom fim de semana procê também Ma

mas cuidado
se agosto tivesse rosto
assombraria
rsrss

forte abraço

Daniela Delias disse...

Pois eu achei que o agosto ficou mais bonitinho rs.

Bjo, Marquinho!

Assis Freitas disse...

como se diz a gosto, e há gostos, glosa e mote, no rosto a lágrima é serrote



abraço

Verso Aberto disse...

tomara Daniela
que o último decanato de Augustus antecipe os ares da Primavera

abração

Verso Aberto disse...

caro amigo Assis

como desencosto
mais arado que serrote
que a lágrima o rosto
setembre e rebrote

abração

Vais disse...

Belíssima a foto, Marcos

um poema altamente sensorial
agosto de seca que seca tudo
a pele, a terra, o rio
o vento venta só poeira e de cada lugar a lágrima se desce, amarela, vermelha, preta

abração, moço

Verso Aberto disse...

Vais
que beleza
e é isso mesmo
agosto seca tudo
menos nossa lágrima
amarela vermelha preta

forte abraço

Caroline Godtbil disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Caroline Godtbil disse...

Agosto e suas tardes amenas... nem frio, nem quente... Mal agouro? Nem muito, nem pouco... a gosto do freguês!
Linda foto!!
Beijo.
Sigo junto.

Verso Aberto disse...

Caroline, obrigado pela visita

as tardes de Agosto são belas sim
céu de coroa dourada
chamando azuis limpos
de noite enluarada

para amenizar a secura rsrsrs

abs

Lucielle Wiermann disse...

linguagem de quem se relaciona intimamente com a sensibilidade...

Verso Aberto disse...

qual seria a linguagem de nossas sinapses?
qual seria a sintaxe?

é Lucielle, este parece ser o grande desafio: uma linguagem apropriada para a poesia de hoje...

abração