sábado

Amor amputado

O Barco, de Rogério Cordeiro
nossas mãos, de costas
ponte sem cabeceiras
de sempre ir de nunca ir
de tanto nos abandonar
 
nossas mãos, de longe
olhos - secar de pedras cachoeiras
sonho sem margens
sem corredeiras
 
teu rosto lentamente dobra o tempo no horizonte
manso barco na paisagem
pronde?
 
amor amputado
fonte a fio seco
rio a mar morto
espelho a miragem  

.

16 comentários:

Macabea de La Mancha disse...

Nossa! "de sempre ir de nunca ir/de tanto nos abandonar" - é exatamente assim. Meu amor foi amputado e agora que estou a saber.

Belo poema!

Abraço!

Verso Aberto disse...

oi Macabea
com o tempo a gente percebe

amor que se satisfaz na intenção
não é espelho
é miragem

melhor é a reflexão da realidade
mesmo que dolorida

bom rever você
abração

Tania regina Contreiras disse...

ôxi, que isso, de ir sem nunca ir...e eu bem sei do que isso fala, e quando sei os versos cortam fundo.

Abraços,

Verso Aberto disse...

Tania,
versos que vieram desta obra de arte fantástica do Rogério Cordeiro - óleo sobre tela que tem mais de 20 anos

barco em linda aura desoladora

obrigado pela visita
abração

MA FERREIRA disse...

Oi Marcos...tudo bem?
Sempre bom te ler...

O amor sempre aprontando das suas...
as vezes calmaria as vezes tempestade..as vezes realidade
outras vezes ilusão...

Diz o ditado de ilusão também se vive... concordo não..

bj...bom domingo...

Caroline Godtbil disse...

Seja lá como for, que sempre prevaleça o azul...
Sigo junto.
Beijo.

Verso Aberto disse...

é isso Ma

e às vezes a ausência dói qual realidade
mais que ilusão
é membro amputado

obrigado pelo carinho

abração

Verso Aberto disse...

Caroline,

o azul prevalece aqui
porém, levando-nos infindavelmente

ele, que envolve o barco, é nossa ida sem volta

obrigado pela visita
abração

Daniela Delias disse...

Gosto tanto da tua poesia, Marquinho.
Tanto. Esse poema trouxe uma nostalgia tão boa...

Beijo, carinho

Verso Aberto disse...

ô Daniela
nossa
nem sei como retribuir

que tal com mais poesia?

desejo que você fique bem e que volte sempre
muitíssimo obrigado
abração

Assis Freitas disse...

a miragem é um devaneio do olhar, de se fitar rio e colher o mar, de se querer o preciso, neste andar indeciso



abração

Verso Aberto disse...

grande Assis

ironia
a miragem que nos é mais persuasiva é a que colocamos no espelho

forte abraço

Adri Aleixo disse...

Ah! que bom vir aqui antes de me deitar, ver essa linda imagem, ler sua poesia...

manso barco na paisagem...

beijo!

Verso Aberto disse...

que bom que você veio

o Rogério Cordeiro é dono de belíssimas imagens
atualmente ele faz arte sacra em Governador Valadares e nas horas vagas imita Elvis Presley
coisas de gênio

obrigado Adriana
abração

Jo Uliana disse...

Dos tantos belos poemas teus, meu preferido é este; acho que é porque vivo algo parecido..
:)abraço

Verso Aberto disse...

Jo
olha
esta imagem de rostos se diluindo no tempo
é real

e
muitas vezes
é o nosso rosto que está lá

obrigado pela visita e pela generosidade com meus poeminhas

abração