sábado

Nação de anjos

quintal, em Timóteo/MG

finco pé nas estrelas
- choro séculos de solidão
de lá
     só vi um lugar de ser feliz
    
é casa velha
          simples
          de quintal paraíso de criança
(onde fui anjo)
          
mas a alma carburante
só sabe seguir adiante
gosta de desfilar o corpo liberto pela rua

é que os quintais 
não querem mais 
                         muros
subornos golpistas
ditadores legalistas
não querem mais ilusão vingança
            cantos escuros
                          

e ranjo
           NÃO

o dia que hoje nasce vai durar história

eles não sabem não
       mas 
            mortos 
                já estão

   

6 comentários:

Adri Aleixo disse...

Tocante, Pizano!

Você ainda é anjo.

Beijo!

Assis Freitas disse...

parafraseando Manoel de Barros: a gente devia crescer para anjo



abraço

Primeira Pessoa disse...

o quintal é o cemitério da infância.
bravo!

Verso Aberto disse...

Oi Adriana

anjo carburante
madrugando pelas ruas

rsrs

Verso Aberto disse...

mas
dos que dizem NÃO
que
talvez
nem os são

rrss
abs Assis

Verso Aberto disse...

ninho
é ninho
(para nascer e morrer)

abs manos Beto