domingo

Soberba solidão

Canela-de-Ema da Serra do Cipó (internet)




flor de brisa sobre pedra
selvagem beleza que ponteia o campo

solitária e marcante presença sua

(por que nos deram mundos opostos?)

gigantemente ela fica de pé
sonhando com terras lavradias
soprando versos pela vida
               que não a orbita

palavras tantas
             todas onde deveria estar você

e em desdenho e soberba
a serra blasfema sua imensidão
contra a flor lágrima


  

3 comentários:

Verso Aberto disse...

esta flor é um milagre da beleza

nasce das lágrimas mágicas da brisa sobre as rochas da serra do cipó

abração gente

Assis Freitas disse...

pura magia: resplandece




abraço

Verso Aberto disse...

amigo Assis

se as palavras não estão com a gente
é porque foram serenar flores por aí

abs