sexta-feira

Adeus em Junho



vento afiado 
calafrio testemunho de um adeus
frio
dolorido calado
choque gelado em redemunho

sozinho poesio seu nome
ao vinho queijo e queixume
definho em rascunho

- que a solidão de Junho se consume

6 comentários:

Mirze Souza disse...

Lindo, Mano!

Ainda bem qie o vinho aquece o poema.

Um beijo

Mirze

Verso Aberto disse...

poemar ao vinho
aquece toda solidão

forte abraço Mirze

Assis Freitas disse...

consume e consome,



abraço

Verso Aberto disse...

que este perfume
ao vinho sempre arome

abs Assis

Vais disse...

Olá, Marcos
Ave, Baco!!!
seja em que ocasião for

grande abraço pra ti

Verso Aberto disse...

quando a vinho poesia
a dor anestesia

abração Vais