sábado

Perdão da liberdade

Paulo Vieira, Inédito Um 013
perdão do ódio que nega-se amor
da lágrima pelo choro frágil
                                   absurdo

perdão da vida
             por achar que era sua
do tempo
             a não se remir

o perdão da ausência
               que suplicam sol e lua

que mesmo podendo ser fácil não se faz pedir
o perdão dito surdo
                - disse que deu?

o perdão que não pude dar
               porque não era meu


2 comentários:

Primeira Pessoa disse...

porque o perdão não é de quem perdoa.
é de quem o abraça.


saudades, marquinhos.

beijão,
r.

Assis Freitas disse...

para um perdão, outro



abraço